quarta-feira, 4 de outubro de 2017

"CUIDAI DA ROSEIRA... COMPENSA A ESPERA A ROSA PRIMEIRA"

POSSE DE JANE HILDA BADARÓ, QUE A PARTIR DE AGORA OCUPA A CADEIRA N. 6  FOI COM POESIA E MUITA CELEBRAÇÃO

Jane Hilda, ao centro, nova acadêmica

Em 22 de setembro p.p , tomou posse  na ACADEMIA DE LETRAS DE ILHÉUS a poeta, jornalista, professora , advogada e artista plástica JANE HILDA MENDONÇA BADARÓ, ocupando a cadeira n. 6, outrora pertencente a sua mãe  JANETE MENDONÇA BADARÓ.  A  cerimônia, presidida por ANDRÉ LUIZ ROSA, foi bastante prestigiada por  familiares e amigos. Estiveram presentes os acadêmicos: Aleilton Fonseca, Antônio Lopes, Arléo Barbosa, Antônio Ezequiel Nunes, Josevandro Nascimento, Neide Silveira, Jabes Ribeiro, Hans Schaeepi,  Geraldo Lavigne, Anarleide Menezes , Gerson dos Anjos.Impossibilitados de se fazerem presentes,  encaminharam congratulações os acadêmicos Eliane Sabóia, Neuzamaria Kerner,Neuza Nascimento,  Baísa Nora, Raymundo Laranjeiras, Everaldo Brito, Pawlo Cidade, dentre outros. A saudação da nova acadêmica foi feita por Maria Schaun. 
 
O discurso de posse  de Jane Hilda deu conta do surgimento das Academias, pontuando historicamente o inícios das academias francesa, brasileira, da Bahia, até chegar na academia ilheense, indicando também  os objetivos propostos pelas mesmas , além  de ter discorrido sobre o patrono da cadeira , o Coronel Antônio Pessoa da Costa e Silva, do Fundador Leones da Fonseca e da primeira efetiva Janete Badaró: 


Abaixo, excerto do mesmo, o intróito:  

“Cuidai da roseira...
compensa a espera
a rosa primeira.” [1]

Trazendo-lhes esta pérola de haikai, sabiamente intitulado “Experiência”, da lavra do saudoso poeta Abel Pereira, inicio minha oratória, nesta Casa.

Pois bem, senhores, e senhoras, o meu coração pulsa acelerado! Forte emoção invade meu peito nesta noite, marcada pela generosidade dos confrades e confreiras, insígnes acadêmicos ilheenses, que ora me acolhem, para, doravante, convivermos sob este teto que agasalha a cultura e as artes - a Academia de Letras de Ilhéus- carinhosamente chamada de “Casa de Abel”, por justíssima homenagem ao seu fundador e primeiro presidente - plantador, e jardineiro - Abel Pereira. Sua roseira continua produzindo e encantando por aqui...
De logo, agradeço a calorosa recepção neste cenáculo, e me penitencio pelas belas coisas que agora sinto, mas que não sou capaz de dizer por que as palavras que sei são insuficientes para expressar - mas que são impressões gravadas para sempre, qual  delicadas flores do campo, colorindo e perfumando minh’alma. Um jardim semeado em dias de Primavera, a mais bela das estações!



Em mim há também um sentimento, que, a princípio, poderia ser contraditório, mas que, ao final, se unifica! Um, pelo vagar da cadeira n.6, cujo motivo se deu com o passamento da sua anterior ocupante, Janete Mendonça Badaró, minha doce e querida poeta mãe, como gosto de chamá-la. Uma saudade enorme me toma no caminhar dos dias, e também nesta hora. Contudo, sua presença é tão viva e intensa em mim, que não hei de alagar-me em lágrimas de tristeza, mas sim, deixar-me-ei contagiar pela alegria de imaginar seu belo sorriso e seu contentamento, se aqui estivesse – sentada,  no local reservado aos imortais, o seu lugar - apreciando este momento, para mim tão honroso e glorioso, quanto para ela também fora um dia!

Chego humildemente na Academia de Letras de Ilhéus, até porque trago uma bagagem ainda por fazer. Espírito inquieto que sou, gosto de rabiscar escritos jurídicos, traços, palavras e cores. É certo que, reiteradas vezes, me pego distraída a abrir portinholas da imaginação para deixar-me passear livre entre céu, mar e terra. Chego, entretanto, neste sodalício, com atenção devida, pés no chão, e o firme propósito de "servir a pátria - servindo a minha cidade – cultuando as letras e as artes". Diante de mim um portal se abre, e uma estrada se delineia – cumpre-me atravessá-los para que a caminhada prossiga, tratando, de atender, pois, o chamado,  o convite, ao crescimento intelectual e ao crescimento interior. 


Quanto a ela, minha amada poeta mãe Janete Badaró, em meus silenciosos momentos de reflexão e trabalho espiritual, já lhe pedi a devida licença, me comprometendo a honrar a cadeira n. 6, da qual ela foi primeira efetiva, e que passo a sucedê-la. Uma grande responsabilidade que assumo com alegria, posto que, também dentro de minhas lembranças, e do meu coração, ela é imortal! Aí um dos sentidos mais sublimes de imortalidade: o eterno amor que nos une, o amor que ela espalhou nos caminhos trilhados enquanto encarnada. Além da beleza de sua vida, e de sua obra literária, que agora, mais que nunca, tenho o dever, e a grata satisfação, de fazer perpetuar”.

"Acredito que uma força divina determinou o meu destino - e que nossos caminhos são iluminados segundo essa força. Sinto-me privilegiada pelos presentes que recebi, e acredito que serei agraciada com essa luminosidade para meus descendentes mesmo depois que eu me torne apenas um rastro de sonho a perpetuar o TODO...”.  [2]

Sim! Janete Mendonça Badaró consignou, em seus escritos, este pensamento. Mais que uma reverência ao Divino, e uma doce oração típica de um coração maternal, percebo ai também um pensamento premonitório - se considerarmos este honroso e mágico momento - quando eu, sua filha, sua descendente, com necessário esforço, e grande determinação, venho seguir nesta confraria as suas pegadas, o seu rastro de luz ...

E assim, senhores e senhoras, considerando que “as academias inventaram os discursos” [3], e que me cabe a missão de atender ao tradicional protocolo, ainda nesta assentada virei discorrer sobre o Patrono, o Fundador, e a ocupante anterior da cadeira n. 6. Uma atribuição que transbordo em satisfação, embora destituída da eloqüência pedida para ocasião tão nobre, mas pela oportunidade de aprender com a notoriedade de suas trajetórias, e assim também homenageá-los. Aqui mais um sentido da imortalidade: cada novo membro que se associa a este sodalício, há de trazer a lume os elogios aos antecessores de sua cadeira!  E então, a história é rememorada, ao tempo que segue adiante, devendo-se tudo registrar nos anais desta Casa, para que sua memória esteja sempre viva!"
 


[1] Haikai intitulado “Experiência”, de autoria de Abel Pereira. In: Reflexões Acadêmicas, pág. 21- Francolino Neto.
[2]  Texto encontrado em escritos inéditos de Janete Mendonça Badaró.
[3]  discurso de posse na Academia Brasileira de Letras de J.C de Macedo Soares, reproduzido em discurso de recepção feito por Higino Brito para Luiz Augusto da Franca Crispim na Academia Paraibana de Letras em 28 de abril de 1979. In: Revista da Academia Paraibana de Letras, set 1984, pág 51. 

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

PRESIDENTE DA ACADEMIA DE LETRAS LANÇA SEU MAIS NOVO LIVRO



O Presidente da Academia de Letras de Ilhéus, André Luiz Rosa, lançou em 13 de setembro o livro intitulado "In Memorian". Na oportunidade falou sobre o histórico concepcional do trabalho, que integra parte de seus estudos enquanto professor pesquisador de História na Uesc, envolvendo aspectos de história regional. Estiveram presentes acadêmicos , intelectuais, familiares e amigos. 




JANE HILDA BADARÓ OCUPA CADEIRA N. 6 NA ACADEMIA DE LETRAS DE ILHÉUS


Em 22 de setembro próximo, às 19 horas, a Academia de Letras de Ilhéus realiza sessão festiva de posse da nova acadêmica Jane Hilda Mendonça Badaró (foto), para a cadeira n.6, cadeira anteriormente ocupada por sua genitora Janete Mendonça Badaró, e cujo patrono é Antonio Pessoa Costa e Silva e Fundador Leones da Fonseca. Primeira mulher a ingressar na Academia de Letras de Ilhéus, a escritora, advogada, jornalista e poeta ilheense Janete Mendonça Badaró nasceu em 16 de julho de 1935, e morreu em 25 de julho de 2015. Nos seus 80 anos de vida construiu uma bela história. Casou-se com Carlos Alberto Ramagem Badaró (in memoriam) e teve cinco filhos: Arilton Carlos, Jane Kátia, Jane Suely, Carlos Alberto Filho e Jane Hilda. Formou-se em Letras e Direito, escreveu dois livros de poesias, intitulados “Momentos” e “Máscaras em Procissão”, exerceu funções em cargos públicos no município de Ilhéus, e atuou na imprensa regional por vários anos. A cadeira que vagou naquele sodalício, em função de seu desencarne, doravante, passa a ser ocupada por sua filha Jane Hilda, eleita que foi, em agosto p.p., para ingressar naquela confraria. A recepção da nova acadêmica – que tradicionalmente ocorre através de um discurso de saudação por um dos membros da Casa - será feita pela escritora e jornalista, Maria Schaun, em sessão conduzida pelo professor André Luiz Rosa Ribeiro, Presidente da ALI.

A nova acadêmica, de múltiplos dons, possui diversas publicações de textos  jurídicos, textos jornalísticos, colunas de arte e cultura, colunas de variedades, crônicas, e poesias, em jornais, revistas, periódicos e blogs, além de participação em coletâneas regionais de poesias. É autora do livro "Imagens e Sentimentos: Poemas (Des)engavetados  e Pinturas"- editora Mondrongo, 2016. Seu livro contém um “prefácio póstumo” de Abel Pereira, que nos idos de 1991 escreveu o poema “Versos Circunstanciais” – à propósito da sua poesia.  É também artista plástica com várias exposições individuais em Ilhéus, e participações em exposições coletivas em Ilhéus, em outros estados brasileiros, e em outros países, a exemplo de França, Portugal, Espanha, Japão, dentre outros. É Membro da Academia Latino-Americana de Arte- ALA- presidida por Fabio Porchat, com participação em livro bilingue editado por aquela instituição. Em 2012 esteve participando do Salão de Arte Contemporânea no Carrousel do Louvre, em Paris, sob a chancela do Governo Brasileiro, após vencer edital próprio. Levou obras com a temática amadiana, por ela produzidas, no ano das comemorações do centenário de Jorge Amado.

“Chego humildemente na Academia de Letras de Ilhéus. Espírito inquieto que sou, gosto de rabiscar escritos jurídicos, traços, palavras e cores - e, reiteradas vezes, me pego distraída a abrir portinholas da imaginação para deixar-me passear livre entre céu, mar e terra- chego, entretanto, neste sodalício, com atenção devida, pés no chão, e o firme propósito de "servir a pátria - servindo a minha cidade – cultuando as letras e as artes". Diante de mim um portal, e um caminho, que chamam ao crescimento intelectual e ao crescimento interior. Quanto a ela, minha amada poeta mãe Janete Badaró, em meus silenciosos momentos de reflexão e trabalho espiritual, já pedi licença, me comprometendo a honrar a cadeira n. 6 da ALI, da qual ela foi titular, e que passo a sucedê-la. Uma responsabilidade que assumo com alegria, posto que, dentro de minhas lembranças, e do meu coração, ela está muito viva! Aí um dos sentidos mais sublimes de imortalidade: pelo eterno amor que nos une, pelo amor que ela espalhou nos caminhos trilhados enquanto encarnada. E pela beleza de sua vida e se sua obra, que agora, mais que nunca, tenho o dever de perpetuar”, diz Jane Hilda.

AS INDICAÇÕES PARA A VAGA DO MESTRE DORIVAL DE FREITAS JÁ PODEM SER REALIZADAS


Os membros da Academia de Letras de Ilhéus já podem fazer as indicações para a vaga da Cadeira n. 11, antes ocupada pelo Mestre Dorival de Freitas. Na próxima reunião ordinária devem ser apresentados os nomes ou o nome que poderá ocupar a cadeira do professor.

Professor Dorival, como ela carinhosamente chamado nos deixou no dia 28 de junho de 2016, próximo de completar 84 anos.

ABERTA VOTAÇÃO PARA OCUPAÇÃO DA CADEIRA DO SAUDOSO PROFESSOR CLÁUDIO SILVEIRA

Cláudio Silveira, agachado. Foto do final dos anos 50. Fonte: R2cpress

Estão abertas as eleições para preenchimento da Cadeira nº 02, ocupada pelo professor Cláudio Fausto da Silveira. O saudoso mestre foi diretor e professor do antigo Centro Educacional Álvaro Melo Vieira; era advogado, foi vereador e também membro da Loja Maçônica Regeneração Sulbaiana. 

Após a reforma dos estatutos e regimento interno da Academia de Letras de Ilhéus o processo de ingresso agora é feito pela indicação de um novo membro por três ou mais confrades ou confreiras da academia. Após indicação, o candidato é submetido à aprovação de todos os membros por voto direto e secreto. Se confirmada a votação de 50% + 1, ele ou ela é eleito.


Para a cadeira nº 02, cujo patrono foi Afrânio Peixoto e o fundador o jurista Francolino de Queiroz Neto, foi indicado o professor de literatura Sebastião Maciel Costa (foto), autor do livro "Autorregulação de aprendizagem e autonomia do educando". A votação já foi deflagrada e vai até o dia 01 de outubro. Todos os membros podem votar por voto direto, com cédula, na sede da academia ou confirmar seu voto pelo e-mail: academiadeletrasdeilheus@gmail.com 

terça-feira, 22 de agosto de 2017

REUNIÃO ORDINÁRIA DA ACADEMIA DE LETRAS PARA APURAÇÃO DE VOTOS


No próximo dia 24, a partir das 17h, os membros da Academia de Letras estarão reunidos para apuração dos votos da candidata Jane Hilda Badaró, que concorre à cadeira da saudosa confreira e poetisa Janete Mendonça Badaró (foto).

Janete Mendonça Badaró ocupou a cadeira nº 6, fundada por Leones da Fonseca, tendo como patrono Antonio Pessoa Costa e Silva.

A reunião será na sede da própria Academia.

terça-feira, 30 de maio de 2017

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA NO DIA 1 DE JUNHO

Prezados Confrades, senhoras Confreiras,

Da ordem do presidente, André Luiz Rosa Ribeiro, convocamos todos os membros desta Academia para reunião extraordinária a ser realizada no dia01 de junho de 2017, às 17 horas, na sede da academia, com a seguinte pauta:

- Leitura e Aprovação da redação final do novo regimento.

Aguardamos a presença de todos.

Cordialmente,

Pawlo Cidade
Secretário Geral
ALI

quarta-feira, 5 de abril de 2017

ABERTO PERÍODO DE VOTAÇÃO PARA ESCOLHA DE NOVA CONFREIRA



Prezados Confrades, Prezadas Confreiras,



No período de 05 de abril a 5 de maio de 2017 estaremos recebendo os votos para eleição da vacância da cadeira nº 29, anteriormente ocupada por Dom Caetano. Temos apenas uma candidata ao cargo. Trata-se da professora e gestora cultural Anarleide Cruz Menezes.

Os votos estarão a disposição de todos na recepção da Academia de Letras, em sua sede, à Rua Antonio Lavigne de Lemos. Aqueles que não residem em Ilhéus poderão fazê-lo manifestando seu voto a favor ou não, via e-mail. 

E-mail da Academia: academiadeletrasdeilheus@gmail.com 


Maiores informações pelo telefone: 73. 3231.1612 ou pelo celular: 73.9.9998.2555

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

ELEIÇÕES - PERÍODO DE VOTAÇÃO




Senhores e senhoras membros da Academia de Letras de Ilhéus,

O presidente Josevandro Nascimento, no uso de suas atribuições, comunica aos membros efetivos desta Academia que estará aberta no período de 14 a 19 de dezembro a votação da chapa candidata ao biênio 2017-2018, com a seguinte composição:

Presidente: André Rosa
Vice Presidente: Arléo Barbosa
Secretário-Geral: Pawlo Cidade
1ª. Secretária: Maria Schaun
2º Secretário: Josevandro Nascimento
1º Tesoureiro: Gerson dos Anjos
2º Tesoureiro: Gustavo Cunha
Diretor de Biblioteca: Geraldo Lavigne
Diretora de Revista: Maria Luiza Nora

Os membros residentes no Município de Ilhéus deverão retirar e, concomitantemente, depositar seu voto na sede da Academia de Letras de Ilhéus, em horário comercial. Para os não residentes o voto poderá ser enviado para o e-mail: academiadeletrasdeilheus@gmail.com  colocando no campo assunto: “Eleição 2016”. E no corpo do e-mail a palavra “SIM” ou “NÃO”.

Atenciosamente,


Comissão de Eleição

domingo, 11 de dezembro de 2016

MESTRE ALEILTON AGORA É MEMBRO DA CADEIRA 24 DA ACADEMIA DE LETRAS DE ILHÉUS

O escritor ao lado da esposa Rosana Ribeiro Patricio

O escritor Aleilton Fonseca, membro titular da Academia de Letras da Bahia e da Academia de Letras de Itabuna tomou posse no último dia 9 de dezembro de 2016, como mais novo membro da Academia de Letras de Ilhéus, ocupando a cadeira 24, que pertenceu ao saudoso escritor Hélio Pólvora. Aleilton Santana da Fonseca nasceu em Itamirim, hoje Firmino Alves, Bahia, em 21.7.1959. Seu pai, Epaminondas, um pequeno agricultor; sua mãe, Lourdes, uma professora primária. É casado há 32 anos com Rosana Ribeiro Patricio, e tem dois filhos: Diogo Ribeiro da Fonseca (31) e Raul Ribeiro da Fonseca (27). O acadêmico se declara ilheense por adoção pois residiu em Ilhéus desde os 4 anos de idade, onde a viveu a infância e adolescência. Em 1979 foi estudar em Salvador, onde fixou residência. A partir dos 17 anos, ainda em Ilhéus, passou a escrever e a publicar em jornais e revistas. Sua produção literária abrange romance, conto, poesia, crítica e ensaio. É graduado em Letras pela Universidade Federal da Bahia (1982), com mestrado pela Universidade Federal da Paraíba (1992) e doutorado pela Universidade São Paulo (1997). 
       
Amigos Sandra Argôlo, o jornalista Antônio Lopes que saudou o novo membro, a artista plástica Jane Hilda e seu esposo Josenaldo


Foi professor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, em Vitória da Conquista, de 1984 a 1998.  A partir de 1999, passou a lecionar na Universidade Estadual de Feira de Santana, na qual é professor Pleno (Titular) de Literatura Brasileira na graduação em Letras e no Curso de pós-graduação Mestrado em Estudos Literários, desenvolvendo pesquisas sobre as relações entre literatura, imagens urbanas e ecologia. Foi professor convidado, na Université d’Artois, na França, em 2003. 

Participa de eventos literários e científicos no Brasil e no exterior, como conferencista, pesquisador e escritor. Proferiu palestras em diversas universidades brasileiras e em instituições estrangeiras, como Sorbonne, Nanterre, Rennes, Tour, Toulouse e Nantes (França), na  Universidade de Budapeste (Hungria) e  Università del Salento (Lecce/Itália). Foi coeditor de Iararana - Revista de arte, crítica e literatura, editada em Salvador, de 1998 a 2007. Faz parte da Comissão Editorial da Revista da Academia de Letras da Bahia e de outras revistas literárias e acadêmicas. Foi correspondente da revista francesa Latitudes: cahiers lusophones. Recebeu um dos Prêmios Culturais Fundação Cultural da Bahia – 3º lugar (1996), o Prêmio Luis Cotrim (ALJ, 1997), o Prêmio Herberto Sales (ALB, 2001) e o Prêmio Marcos Almir Madeira (UBE-RJ, 2005). Em 2013 recebeu o título de Professor de Honra de Humanidades, pela Universidad del Norte, em Assunção, Paraguai. Em 2014, recebeu o Troféu Carlos Drummond de Andrade (Itabira-MG), a Medalha Luis Vaz de Camões (Núcleo Académico de Letras e Artes de Lisboa) e a Comenda do Mérito Cultural, da Secretaria da Cultura, do Governo do Estado da Bahia. Também recebeu a Medalha Pedro Calmon (ABI-Bahia, 2002), a Medalha Euclides da Cunha (Academia Brasileira de Letras, 2009) e a Medalha Arlindo Fragoso (Academia de Letras da Bahia, 2010). Publicou poemas, contos e artigos em diversas revistas, como as francesas Latitudes: cahiers lusophones (Paris),  Autre Sud (Marselhe),  Crisol (Nanterre) e Plural/Pluriel  (Nanterre) e L'Ampoule  (Bordeaux). 

 A mesa contou com a participação de várias autoridades presentes, entre elas a reitora Adélio Melo da Universidade Estadual de Santa Cruz, a primeira à direita e da esposa do saudoso Hélio Pólvora, dona Maria Pólvora.


Aleilton Fonseca tem diversos livros e artigos publicados no Brasil, e em outros países como Portugal, França, Bélgica, Quebec/Canadá, Estados Unidos e Itália. Em 2009, ao completar 50 anos, foi homenageado pelo Lycée des Arènes (Toulouse, França), pelo Instituto de Letras da UFBA (Projeto o escritor e seus múltiplos) e pela ALB (mesa redonda).  Coordena o Curso Castro Alves/Colóquio de Literatura Baiana, da ALB (2005-2015). Tem cerca de 30 livros e diversos artigos publicados no Brasil, e alguns em outros países como França, Bélgica, Canadá, Estados Unidos, Itália, Portugal e Paraguai. Seu romance Nhô Guimarães foi adaptado para o teatro pela Companhia Baiana de Teatro, Grupo Criaturas Cênicas, em 2009. Em 2013 recebeu o título de Professor de Honra de Humanidades, pela Universidad del Norte, em Assunção, Paraguai. Em 2014, Recebeu o Troféu Carlos Drummond de Andrade (Itabira-MG), a Medalha Luis Vaz de Camões (Núcleo Académico de Letras e Artes de Lisboa) e a Comenda do Mérito Cultural, concedida pela Secretaria da Cultura, do Governo do Estado da Bahia. 
   
O autor também recebeu as medalhas Pedro Calmon (Associação Baiana de Imprensa, 2002), Euclides da Cunha (Academia Brasileira de Letras, 2009) e Arlindo Fragoso (Academia de Letras da Bahia, 2010).  É membro. também, da Academia de Letras da Bahia, da Academia de Letras de Itabuna, da União Brasileira de Escritores-SP e do PEN Clube do Brasil. Integra a Association Internationale de la Critique Littéraire, sediada na França, da qual foi vice-presidente para América do sul, em 2013-2014.  Seus livros mais recentes são: O desterro dos mortos, As marcas da cidade, Memorial dos corpos sutis, O pêndulo de Euclides (sobre a guerra de Canudos) e O Arlequim da Pauliceia (sobre a poesia de Mário de Andrade). Recentemente organizou duas antologias da poesia de Sosígenes Costa e co-organizou cinco livros de ensaios sobre a obra de Jorge Amado e outros autores.
     
O novo acadêmico passa a ocupar a cadeira nº 24 que tem como patrono o médico e educador João Florêncio Gomes (1846-1925), como fundador o jornalista Otavio Moura (1928-1978) ), e ocupante anterior o jornalista e escritor Hélio Pólvora (1928-2015). Em sua posse, realizada em 9 de dezembro de 2016, foi saudado pelo escritor e jornalista Antônio Lopes.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

QUINTA-FEIRA TEM LANÇAMENTO DE LIVRO NA ACADEMIA

CHARINHO LANÇA O LIVRO TÊNIS EM QUADRAS


Após as fortes chuvas da semana, que forçaram o adiamento do lançamento do livro “Tênis em “Quadras”, de Luis Rogério Ramos de Menezes, o Charinho, a data foi remarcada para esta quinta-feira, dia 24, na Academia de Letras de Ilhéus, com a presença de vários esportistas e amigos escritores da cidade. nesta quinta-feira, dia 24, na Academia de Letras de Ilhéus, com a presença de vários esportistas e amigos escritores da cidade. 
Sobre o livro, a poeta e jornalista Anna Karenina de Oliveira diz que “sem soma de dúvidas, a obra “Tênis nas Quadras” revela a poética de um narrador exortado a exortar outros para o elixir da vida e saúde”. Já o grande mestre Carlos Alberto Kyrmair, em texto inserido na contracapa da obra, afirma que Charinho conseguiu uma forma simples de colocar-nos em contato com sentimentos que, só quem joga, pratica e ama os desafios que o Tênis propõe sabe o que ele está escrevendo.
Nascido em Ilhéus, graduado em Educação Física pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Charinho é tenista ilheense de 1ª Classe e ministra aulas há 17 anos. Já jogou com personalidades como o ex-presidente francês, Nicolas Sarcozy, o tenista argentino tricampeão mundial de Rolland Garros, Guilhermo Vilas, e tem realizado um trabalho ímpar no ensino do Tênis no Sul da Bahia, com pesquisas, competições e promoção de eventos.
Professor credenciado como Treinador Nacional da Confederação Brasileira de Tênis (CBT), Luís Rogério Menezes atua no desenvolvimento de pessoas através da prática desportiva do tênis, esporte que engloba várias dimensões do humano, a contemplar o campo físico, social, emocional e a razão, integradas à saúde e vitalidade humanas.
Com esse currículo, e visando incentivar a prática esportiva do tênis, Charinho escreveu diversas quadras (poemas de quatro versos rimados entre si) que saem agora em um livro muito charmoso, com formato especial, pela Editora Mondrongo.

SERVIÇO
Lançamento do livro Tênis em Quadras.
Quando: 24 de novembro, 18:30 horas
Onde: Academia de Letras de Ilhéus
Entrada: Franca

Classificação: 14 anos.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

ELEIÇÕES BIÊNIO 2017-2019

ACADEMIA DE LETRAS DE ILHÉUS
PATRIAE LITTERAS COLENDO SERVIAM
FUNDADA EM 14 DE MARÇO DE 1959
ILHÉUS – BAHIA




EDITAL DE ELEIÇÃO




O Presidente da Academia de Letras de Ilhéus, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias, convoca todos os seus membros em pleno gozo de seus direitos, que deste edital virem ou dele tomarem conhecimento, a se inscrever para renovação dos órgãos diretivos da entidade, a realizar-se no período de 30 (trinta) dias, a contar da data de publicação deste, devendo os interessados procurar a secretaria da Academia de Letras de Ilhéus, para maiores esclarecimentos e informações a respeito.
O requerimento para registro de chapas deverá ser feito em 02 (duas) vias assinado(a) pelo(a) candidato(a) que encabeçar, dirigido ao Presidente da ALI e protocolado na Sede da entidade, no endereço abaixo indicado. Para garantir efetiva publicidade o presente edital é publicado no Diário Oficial do Município de Ilhéus, considerando a base municipal da entidade e no jornal Diário de Ilhéus, bem como está disponível na recepção e no blog da instituição.



Ilhéus – Bahia, 08 de novembro de 2016




Josevandro Ferreira Nascimento
Presidente


Pawlo Cidade
Secretário Geral

Endereço da Sede:

Rua Antonio Lavigne de Lemos, 39, Centro, Ilhéus – Bahia.